logo teologia nordwste

análise do seu livro “Evangile et Révolution”. Paris: CERF, 1969.

 

Alder Júlio Ferreira Calado 

O dia 10 de dezembro vindouro marca a culminância das comemorações do centenário de Dom Antônio Batista Fragoso (1920-2006), que já vem acontecendo em várias partes do Brasil e fora do Brasil, principalmente na Diocese de Crateús-CE.

 

Com efeito, a segura de Dom Fragoso se apresenta como um dos Bispos mais emblemáticos, na formação da “Igreja na Base”, no Brasil e na América Latina. Todo seu percurso existencial se caracteriza como uma liderança fiel do Movimento de Jesus, em defesa e promoção da causa libertadora dos pobres-camponeses, operários, marginalizados do campo e da cidade, mulheres, movimentos populares…

 

Dom Antônio Batista Fragoso, filho de José Fragoso da Costa e de Maria Batista Fragoso, nasceu em 10 de dezembro de 1920, em Teixeira-PB, mais precisamente no Sítio Riacho-Doce. Filho de família camponesa, numerosa - 6 filhos e 1 filha -, conhece, desde suas origens, as profundas marcas de quem vive e trabalha no campo.

 

Ainda adolescente, dada a formação cristã testemunhada pelos pais e sentindo-se tocado pela vocação presbiteral, foi levado ao Seminário da Arquidiocese da Paraíba, em João Pessoa. Sem recursos, teve desde o início, de distribuir seu tempo de estudos com o de trabalho - atuou como porteiro do seminário -.

 

Na linhas que seguem, Nosso propósito principal é Dupla Forma: em primeiro lugar, sublinhar a contribuição do pacto das catacumbas, traduzido nas atividades pastorais de seus signatários, suscitar em um amplo movimento de sensibilização, no mundo, pela causa Libertadora dos pobres. E, em seguida, propomos destacar as ações específicas de um deste signatários, o Bispo de Crateús Dom Antônio Batista Fragoso, que no próximo dia 10 de dezembro estaria , inclusive, nas primeiras formulações da teologia da libertação. 

 

Sobre o Pacto das catacumbas tem aparecido um número considerável de reflexões isto, com efeito, da justo título considerando as expectativas a quem do quê se contava, em meio aos pobres, considerando o perfil médio dos cerca de dois mil e quinhentos padres conciliares Isto é bispos vindos de diversos países e continentes, o pacto das catacumbas apresenta como algo imponderável, que teve lugar já as vésperas do encerramento do Concílio Vaticano segundo, mas fora de seu alcance o Concílio Vaticano segundo, que em alguns meses por ano, conseguiu reunir cerca de 2.500 bispos, durante 4 anos parênteses 1962 a 1965 parênteses, a menos de um mês do seu encerramento, que se daria em 8 de dezembro de 1965 foi surpreendido com com a realização, nos arredores de Roma parênteses fora, portanto, das circunscrições do Vaticano segundo parênteses, a reunião de 40 padres bispos e as e bispos e cardeais, além de presbíteros, foi chamado de "pacto das catacumbas"durante a celebração da memória da Ceia do Senhor, os 40 participantes originários cuidaram de firmar entre si um compromisso com com a causa Libertadora dos pobres, fazendo traduzir este compromisso solene em 13 pontos, dando conta de chuvas prioridades como pastores chamados pelo Espírito do ressuscitado a mudarem seu estilo de vida , de modo a sensibilizarem a igreja, em relação a causa dos pobres, da Clau o Concílio Vaticano segundo, em seus 16 documentos, havia tratado de modo muito aqui do que esperavam os signatários do pacto das catacumbas

 

Entre estes primeiros 40 signatários estavam figuras Tais comum O Cardeal lercaro, o arcebispo Dom Hélder Câmara, o Bispo Dom Antônio Batista Fragoso, o Bispo Dom Francisco Austregésilo de Mesquita, o Bispo Dom Waldyr Calheiros, entre outros, além da participação também de presbíteros, exemplo do Paul Gauthier. Este signatários provinham principalmente de dioceses fincadas nos países do terceiro mundo, incluindo países latino-americanos, africanos e asiáticos.

 

Dos 13 pontos em que constava o Pacto das Catacumbas, figuravam compromissos tais como: passarem a viver, não mais em Palácios é psicopata, mas em casa simples ponto e, o compromisso de manterem um estilo de vida mais próximo do Povo de sua diocese; a abdicação de serem tratados como "Excelências" e, preferindo ser tratados como irmãos; o compromisso de evitarem sinais de enriquecimento ou de priorização de atividades administrativas, em prejuízo de seu compromisso pastoral; o compromisso de, de volta às suas respectivas dioceses, de continuarem a ajudar-se mutuamente, no cumprimento destes compromissos, inclusive visitando-se mutuamente, sempre que possível. 

 

Este último compromisso foi, entre outros, finalmente assumido por vários dos signatários, inclusive por Dom Antônio Batista Fragoso, Bispo de Crateús - Ceará, chegou a visitar mais de 60 países, também em busca de confirmar e alimentar estes irmãos signatários, a manterem o compromisso assumido no Pacto das Catacumbas. 



No que toca especificamente à contribuição de Dom Fragoso, a sustentação e fortalecimento da Igreja na base, vamos focar sua contribuição, a partir de um de seus livros mais emblemáticos, publicado na França, em 1969, sendo que este conjunto de arquivos que compõem o livro "Evangile e révolution sociale", das Éditions du Cerf, em razão da densidade de seu pensamento Pastoral-Profético, com incidência indiscutível tanto no desenvolvimento das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs), das Pastorais Sociais, como no próprio nascedouro da Teologia da Libertação.

 

Contexto e características gerais do livro

 

O livro "Evangile et révolution sociale" compõe-se de uma sucessão de textos - vários deles resultantes de palestras a diferentes públicos - , fruto de sua empenhada ação e reflexão, junto aos camponeses, aos cidadãos das periferias urbanas, por meio de toda uma rede de trabalhos pastorais que, em conjunto com uma seleta equipe de leigas e leigos, religiosas e religiosos, presbíteros e pessoas de boa vontade, Dom Fragoso desenvolveu e liderou, desde o início de suas funções de Bispo - ele é o primeiro Bispo Diocesano de Crateús -, desde sua chegada a esta região dos Sertões dos Inhamuns, em 1964, transferido que foi da arquidiocese de São luís-MA onde fora Bispo auxiliar, de 1957 a 1964.

 

Em cada um destes textos, Dom Fragoso segue à risca um itinerário condizente com o título do seu livro. Trata, em primeiro lugar, de testemunhar a fonte da qual bebe, como o cristão, como cidadão e como Bispo. Resultam, igualmente, claras sua posição e fidelidade à causa dos pobres - camponeses e operários, desempregados, sindicalizados, marginalizados, enfermos, pessoas e grupos em situação de fragilidade ou de risco. Sempre bem apoiado em textos bíblicos, principalmente neotestamentários, particularíssimamente, no Evangelho, ele trata de colocar esta fonte de sua fé como luz para o seu caminhar de profeta itinerante, nas pegadas de Jesus de Nazaré.

 

Neste sentido, sendo fruto de sua experiência como assistente da Ação Católica Especializada, sobretudo, atuando como assistente da JOC e da JEC, manifesta uma familiaridade notável com o método ver, julgar e agir, ainda quando não o explicita. Neste sentido, em cada um dos textos, é possível observar que Dom Fragoso segue uma linha indutiva, isto é, cuida de fazer uma leitura da realidade, do ponto de vista econômico, social, político e cultural, com olhos de pastor e profeta. Em seguida, podemos observar sua inquietação em examinar de que modo a situação analisada se põe diante dos critérios da Sagrada Escritura. Por fim, cuida de apresentar pistas concretas de enfrentamento e superação da realidade analisada.

 

Uma breve incursão analítica

 

O livro escrito por Dom Fragoso tem 172 páginas, o foco é posto em cima de candentes problemas sociais enfrentados pela população brasileira, possivelmente entre os anos de 1962 a 1968. Dizemos "possivelmente", pelo fato de que os textos não vêm datados, mas os assuntos versados nos remetem a este período. Vale ainda lembrar que, mesmo tendo sido o livro publicado em 1969, tem a ver com os anos precedentes.

 

Como acima mencionado, Dom Fragoso, expressando sua origem camponesa e seu compromisso com as pessoas mais vulneráveis, não hesita em fazer a reflexão de temas vivamente presentes entre esses grupos sociais. Eis por que nele vamos encontrar temas tais como: desigualdade social, violação de direitos humanos, o drama da seca, a insuficiência de terras como expressão da ausência de reforma agrária, a luta pela alfabetização de adultos, travada pelo Movimento de Educação de Base, a luta pela conscientização dos camponeses e das comunidades, a conscientização sindical e, sobretudo, as formas de organização assumidas, na Diocese de Crateús, pela criação e manutenção das Comunidades Eclesiais de Base, das Pastorais Sociais, no processo de formação dos leigos e leigas, entre outros pontos.

 

O primeiro texto traz como título "Evangelho e justiça social". Nele, Dom Fragoso se empenha em mostrar a íntima relação entre o que diz o Evangelho e o chamamento por ele feito a cada um, cada uma, no sentido de assumir o compromisso com a justiça social. Ele dá exemplos de diversas manifestações de injustiça social, que acontecem no mundo de então, no Brasil, no Nordeste, no Ceará e, em particular, na Diocese de Crateús. Adverte que todo cristão é chamado a pôr em prática os valores da tradição de Jesus, os valores do Evangelho: o reconhecimento da igualdade de direitos entre todos os cidadãos e cidadãs, todos irmãos e irmãs, filhos do mesmo Pai e, por isso mesmo, chamados a serem tratados com dignidade e respeito. Quanto aos valores fundamentais da vida: alimentação, trabalho, terra, habitação, direito à cultura, direito à decisão sobre as diversas situações em que vivem, direito a serem todos tratados com liberdade, direito à educação, à saúde, enfim, a serem satisfeitas as necessidades materiais e imateriais de todos, o que é dever das instâncias governamentais pertinentes. 

 

Neste sentido, ao analisar a situação socioeconômica reinante na Diocese de Crateús, Dom Fragoso se indigna com a prevalência das relações de um capitalismo selvagem, “pré-capitalista”: “Em Crateús, nós ainda estamos no regime capitalista ou pré-capitalista, existente no século passado, nós ainda não estamos no regime neo-capitalista. Esse regime capitalista não dá a mínima chance aos pequenos e aos pobres.” 

 

Utilizando-se do método ver, julgar e agir, Dom Fragoso costuma começar situando, de forma objetiva e didática, os problemas e desafios enfrentados pela população, em especial pelos pobres. Em dado momento, sublinha a extrema precariedade experimentada pelos camponeses, que correspondem a 88% da população de sua Diocese, sem esquecer os que vivem e trabalham na cidade. Enfatiza a vida de precariedade levada pelas numerosas famílias rurais, desprovida de terra para plantar, rendimento mínimo que garanta uma vida digna, o drama das secas periódicas trazendo agravamento daquela situação. A partir da exposição didática dessas situações, cuida Dom Fragoso de confrontar esta realidade com os valores do Reino de Deus, inaugurado e testemunhado por Jesus de Nazaré, buscando examinar as disparidades e as distâncias entre a realidade exposta e valores do Evangelho. 

 

Ainda neste capítulo, composto por diversos subtítulos, correspondente originalmente ao texto de uma palestra por ele proferida, no início do período da Ditadura Civil-Militar, instalada desde o Golpe de Estado de 1964. A conferência de Dom Fragoso reporta-se a um conjunto de fatos e situações que se seguiram ao Golpe. Já em seu início, o autor cuida de apresentar o foco central de sua palestra, sublinhando vários traços característicos da relação entre o evangelho e a justiça social, sempre fazendo apelo a consciência dos cristãos acerca de sua responsabilidade social, de compreensão crítica das situações de injustiça em que o povo brasileiro foi mergulhado. É interessante notar que, ao dirigir-se aos seus interlocutores,sua preocupação também é a de saber quem é capaz de mudar esta realidade, razão por que indaga: “Quem vai modificar esta estrutura? Será só um governo? Serão só os vereadores e deputados? Mas quem os elege, se não os mesmos que controlam o poder econômico, a propriedade da terra, os colégios eleitorais?” (p. 34). E, por outro lado, chamando os próprios cristãos e cidadãos e cidadãs brasileiros a uma ação de resistência, sempre de acordo com os princípios do Evangelho. 

 

Dentre os diversos tópicos em que sua palestra vem distribuída, destacamos alguns temas candentes, tais como: os direitos humanos então agredidos pelo regime militar, o aparato legislativo e repressivo posto em ação, a substituição progressiva da ação educadora do Movimento de Educação de Base (MEB), caracterizado por um plano de alfabetização de adultos, alimentado por uma leitura crítica de mundo e de sociedade, sob a inspiração da pedagogia freireana, por outro plano de alfabetização de adultos, chamado de "Cruzada ABC", cujo objetivo era oferecer um trabalho acrítico e alienante aos alfabetizandos. Acerca disto, Dom Fragoso: “A Cruzada ABC poderia ter sido uma cruzada libertadora, mas, de fato, se revelou um instrumento a serviço do colonialismo cultural. Seu método de alfabetização não era baseado em um estudo sério do universo vocabular usual empregado pelo camponês brasileiro, mas em esquemas culturais que lhe são desconhecidos” (p. 27).

 

Outro aspecto enfatizado, ainda no início de sua palestra, corresponde ao esforço organizativo da comunidade diocesana de Crateús - Ceará, no que diz respeito a uma ação planejada de grande alcance social, junto a diversos grupos comunitários, CEBs, pastorais sociais, bem como junto a movimentos de resistência como o Sindicato de Trabalhadores Rurais da região. Dentre os temas abordados na palestra se acha, por exemplo, a exposição criteriosa das condições de vida e de trabalho reinantes nos vários municípios àquela Diocese de Crateús, cuja população rural alcançava quase 90% dos seus habitantes. Dadas as condições então reinantes, bem como a violação de direitos humanos, Dom Fragoso tratava de, não apenas denunciar profeticamente a situação, como também de expressar as principais reivindicações apresentadas por aqueles trabalhadores e trabalhadoras do campo e da cidade. Com relação aos trabalhadores do campo, merece especial destaque a luta pela reforma agrária, principal solução das desigualdades sociais daquela gente, dando sequência a este horizonte já pleiteado, décadas atrás, inclusive pelos protagonistas das Ligas Camponesas atuantes no Nordeste. Tratava-se de uma política social fortemente apetrechada, como resposta à altura dos desafios da época tal era a ênfase na necessidade e urgência da Reforma Agrária, pleiteada pelos Trabalhadores organizados daquela região. Dom Fragoso não hesitava em apontar a própria igreja católica como detentora de propriedades rurais que deveriam também ser alcançadas, dentro de um plano mais geral de Reforma Agrária, dando assim o exemplo de quem não esperava ação apenas externa, mas partindo de dentro, inclusive de sua própria Diocese.

 

O tema versado por Dom Fragoso, no segundo capítulo do seu livro, tem como título "Os estudantes e o desenvolvimento". A julgar pelas palavras "meus amigos", ao concluir este capítulo, permitem entender que se tratava de uma palestra diante de um público estudantil. Ao reconhecer, de início, a relevância do segmento estudantil, em especial dos Universitários, a quem provavelmente se dirigia, Dom Fragoso destaca em sua palestra temas relevantes, como o da educação, da reforma agrária, colonialismo cultural, entre outros. 

 

Vale observar sua defesa do direito ao diálogo com os estudantes, a ser assegurado pelo regime militar que via aos estudantes apenas como agitadores e subversivos. Então, o bispo perguntava: “Será que vamos aceitar um diálogo aberto, sincero, desarmado? Ou vamos tentar dominar de novo os estudantes e, reprimir suas manifestações, tachando de subversivas qualquer manifestação de reivindicação?” p.38.

 

Em relação ao tema da Reforma Agrária, cuida de, primeiro, expor dados oficiais acerca da estrutura fundiária e da política agrícola vigentes em relação especificamente à estrutura fundiária. Dom Fragoso faz menção de dados estatísticos referentes a 1960, dando conta fundamentalmente da extrema concentração de terra existente no Brasil, um número altíssimo de pequenas propriedades de até 10 hectares, a ocuparem um percentual insuficiente de terras agricultáveis, capazes de fornecer a uma família camponesa - normalmente numerosa - as condições mínimas de sua sustentação. Por outro lado, um número ínfimo de grandes propriedades, ao ocuparem um percentual enorme das terras agricultáveis, sendo que destinadas principalmente ou à monocultura ou à criação extensiva de gado. Após apresentar estes dados oficiais, Dom Fragoso trata de analisar, especialmente as consequências deste fenômeno. Destaca a penúria de vida e de trabalho sofrida pelos camponeses nordestinos - embora esteja considerando o Brasil, o Bispo restringe principalmente ao nordeste sua análise. Outra consequência que ele sublinha do mesmo fenômeno é a marginalização a que são submetidos tanto os trabalhadores sem terra quanto aqueles trabalhadores que lidam com um pedaço de terra claramente insuficiente para o sustento de sua família. O destino mais frequente é o de se sentirem forçados a migrarem para grandes centros, mais precisamente em busca de um local de moradia nas periferias urbanas, enquanto aguardam empregos precaríssimos, para sobreviverem. O Bispo ainda destaca, como consequência, a colonização cultural a que esses trabalhadores rurais acabam sendo submetidos junto com suas famílias. Curioso é observar que, passados em torno de 60 anos, a situação então descrita conserva traços bastante semelhantes, alguns dos quais até mesmo agravados, na presente realidade. Tendo em vista a realidade dos estudantes aos quais se dirigia, é provável a atenção que ele desperta, não apenas pelo tema abordado - importa lembrar que naquela região, 80% da população tem a ver com o campo, razão pela qual entendemos que o Bispo se dirigia a jovens universitários fortemente ligados aos problemas de suas respectivas famílias.

 

Outro tópico desenvolvido por Dom Fragoso, na mesma ocasião, prende-se aos desafios da educação ou do ensino superior. No caso, o Bispo aludia à subordinação servil do regime militar aos interesses do Governo dos Estados Unidos, à medida que. recorrendo a equipes de técnicos trancados a sete chaves com assessores dos Estados Unidos, as decisões eram tomadas sem a necessária escuta dos estudantes, dos professores, dos reitores, dos especialistas em educação, de modo a respeitar as regras democráticas. E o que resultava deste famigerado acordo MEC - USAID era mais uma imitação do plano de educação e de ensino superior dos Estados Unidos do que um plano que interessasse diretamente ao setor educacional brasileiro. Tratava-se, portanto, de uma exposição aos estudantes de dados concretos a partir dos quais os mesmos estudantes eram despertados para uma consciência crítica de cidadãos brasileiros, chamados a dizer sua palavra, no que se prendia ao tema educacional.

 

No que diz respeito à dependência cultural, a exposição feita, na mesma oportunidade, mostrava os liames de dependência do projeto colonialista, que vigorava no Brasil desde séculos. Em conjuntura ditatorial, tais laços se tornavam ainda mais comprometedores.

 

Nesta direção é que segue a reflexão crítica proposta por Dom Fragoso. Neste mesmo segundo capítulo continua evoluindo dentro das palavras - chave indicadas no título deste capítulo, e vai focando aspectos diversos envolvendo os desafios dos Camponeses, dos Estudantes, em seu compromisso com o desenvolvimento social brasileiro. Oferece dados relevantes, por exemplo das políticas agrárias propostas pelo regime, não apenas ficavam bem aquém das expectativas dos Camponeses, como também distanciavam-se dos seus sonhos legítimos, de uma reforma agrária justa, tal como ensaiada em tantos países inclusive os de regime capitalista. Dom Fragoso acentuava, com firmeza e lucidez, as consequências nefastas para a enorme maioria dos trabalhadores e trabalhadoras Rurais, ao ponto de associar a um genocídio o que se passava em certas situações profundamente precarizados da população do campo.

 

Por outro lado, enchia de críticas contundentes as formas adotadas pelo regime militar, no sentido de alterar a estrutura do ensino superior brasileiro, bem como suas políticas educacionais voltadas para os programas de alfabetização, conforme critérios adotados pela cruzadas de alfabetização, em claro contraste com a proposta que vinha sendo protagonizada pelo MEB (Movimento de Educação de Base), tanto no tocante ao volume de recursos destinados à cruzadas ABC, em relação ao pouco que era destinado ao MEB, quanto no que se referia à natureza mesma da proposta oferecida por estas duas entidades.

 

Sempre atento aos dados oficiais, Dom Fragoso critica a má distribuição de verbas destinadas à educação, inclusive em relação à fatia do orçamento destinada às forças armadas: “O Brasil consagra 10 a 12% do orçamento nacional para a educação. E continuamos a ter mais de 50%, quase 70% de analfabetos.” (p. 52). Ainda a este respeito, ele tece comparação entre Brasil (10 a 12%) e México (30%), além de manifestar estranhamento com relação ao percentual do orçamento destinado às forças armadas (18%).

 

Em sua palestra, Dom Fragoso relembra momentos significativos da participação estudantil (universitária) nas discussões sobre a reforma universitária, por meio da organização de colóquios reunindo especialistas na área, e remetendo suas propostas às autoridades competentes. Após o golpe de estado, sobrevém verdadeira tutela militar sobre a universidade brasileira.

 

De volta ao desafio do analfabetismo no Brasil, ele lamenta a destituição do grande educador Paulo Freire, antes empenhado pelo governo federal de João Goulart em coordenar um amplo Programa nacional de educação, seguindo seu método orientado pelo universo vocabular dos alfabetizandos de modo a despertar neles o interesse pela leitura de mundo e pela leitura da palavra. O golpe de estado, ao destituir o governo Goulart, o prende, e Paulo Freire é exilado no Chile, cujo governo o nomeia coordenador de um grande Programa de alfabetização de adultos, naquele país (cf. p. 55).



Mesmo quem já reúne um bom conhecimento acerca da figura de Dom Fragoso se flagra surpreso com com a veemência profética a lucidez com que este Bispo se dirige aos estudantes como um interlocutor de qualidade, a refletir e a despertar uma reflexão crítica acerca da realidade brasileira, latino-americana e mundial, sempre em busca de denunciar os grandes dramas provocados pelo capitalismo e pelo imperialismo, mundo afora. A parte final do segundo capítulo é povoada desta contundência profético-pastoral, não sem firmar-se em dados oficiais. Por outro lado, resulta gratificante escutar o Bispo de Crateús a ressoar, com toda lucidez e veemência, a mensagem revolucionária trazida pelo Papa Paulo 6°, por meio de sua memorável encíclica social, denominada "Populorum Progressio". Deduzimos, por isto, que a palestra de Dom Fragoso, propostas aos estudantes justamente acerca do desenvolvimento social, ocorre pouco tempo depois da publicação da emblemática encíclica.

 

Apoiado nela, por conseguinte, Dom Fragoso, de forma didática e objetiva, lançando seu olhar crítico para as estruturas do capitalismo então vigente, e sobretudo buscando desmascarar, com dados concretos, sua ideologia de que caberia aos países subdesenvolvidos seguir a linha dos países desenvolvidos, Dom Fragoso, sempre apoiado em respeitáveis estudos e pesquisas acadêmicos, vai desmontando, ponto por ponto essas teses falaciosas. Denuncia, em consequência, os mecanismos fundamentais que garantem as desigualdades sociais, tais como o acúmulo incessante de riquezas pelos países centrais do capitalismo, a frente os Estados Unidos sempre à custa da exploração dos países do terceiro mundo; sublinha, por exemplo, os mecanismos trabalhados pela Organização Mundial do Comércio, bem como outros mecanismos de acumulação, como no caso da escandalosa indústria armamentista, que requer uma soma gigantesca do orçamento das grandes potências mundiais, a fim de garantirem sua hegemonia ditatorial sobre os povos do mundo, enquanto não contribuem com com um verdadeiro desenvolvimento dos povos. 

 

Reflexões críticas oferecidas por Dom Fragoso, ao longo deste segundo capítulo, finalizam de modo claro o compromisso profético com a causa libertadora dos trabalhadores e trabalhadoras do Campo, dos trabalhadores urbanos e dos Estudantes. Acerca destes, compartilhava sua profunda preocupação com o êxodo de estudantes filhos de famílias camponesas que, ao se instalarem nos centros urbanos, inclusive fora da região, eram não raramente influenciados pelos valores do mercado, apartando-se de suas raízes camponesas. Também isto Dom Fragoso creditava principalmente às políticas educacionais então vigentes.

 

Da página 64 a 86, cerca de 20 páginas, Dom Fragoso dedica ao tema da “política salarial e justiça social”, título, portanto, do terceiro capítulo. Mais uma preciosa oportunidade oferecida ao Bispo de Crateús, pelos trabalhadores e estudantes de Fortaleza, para compartilhar seu testemunho de Bispo acerca da política salarial vigente no Brasil de 1965 a 1967, de modo a confrontá-la com a justiça social. O convite lhe é feito por dirigentes sindicais de Fortaleza, em um dia da Semana Santa, suscitando questionamentos por conta da aceitação pelo Bispo de Crateús daquele convite. Com a serenidade pastoral-profética, que já é conhecida, Dom Fragoso não hesita em atender ao convite, não enquanto um dirigente sindical ou um agente político, mas precisamente enquanto cidadão e cristão, exercendo a função de Bispo. Com efeito, o tema da justiça social constitui um campo de exercício Pastoral-Profético, do qual Dom Fragoso se recusa a fugir.

 

Vale a pena, de início, rememorar traços gerais desta época. De um lado, o Brasil estava a vivenciar, com crescente constrangimento, as políticas econômicas e sociais concebidas e implementadas pelo governo militar, instalado no Brasil, em 1964 tratava-se de políticas de favorecimento aos setores dominantes da sociedade brasileira e em crescente prejuízo para os trabalhadores do campo e da cidade no caso, a questão em debate versava sobre uma dessas políticas econômicas, a política salarial, mais conhecida como uma política de arrocho salarial, de compressão crescente do valor do salário mínimo, de um lado, e, por outro lado, o aumento do custo de vida, provocando uma significativa redução da qualidade de vida da enorme maioria da população. Isto tinha tudo a ver com a vigência ou não da justiça social, tema próprio para um Bispo comprometido com a causa do Evangelho, com o processo de libertação dos empobrecidos. Não bastasse a inspiração do Evangelho, este vinha fortalecido pelas respostas da Doutrina Social da Igreja, por meio dos escritos do Papa João XXIII e do Papa Paulo VI (a "Mater et magistra" apareceu em 1961; a "Pacem in terris", publicada em 1963, enquanto a "Populorum progressio" acabava de ser publicada, em 1967). Sentia-se, desta forma, bem apoiado, bem fundamentado, o Bispo de Crateús para acatar o mencionado convite de tal modo que não hesita em viajar de Crateús a Fortaleza, em um dia da Semana Santa, consciente de que aquela tarefa era tão importante para um pastor como chegou a acolhê-la como se fosse de rotina, mesmo em tempo de Semana Santa.

 

Em Fortaleza, acolheram-no dirigentes sindicais e estudantes. As primeiras palavras de Dom Fragoso vão no sentido de reafirmar seu propósito pastoral, em nome do qual se faz presente aquela Assembleia, para prestar seu depoimento, seu testemunho, em defesa da justiça social, ameaçada pela então vigente política salarial.

 

Segue, então, a expor, de forma didática, iniciando, como de hábito, pela apresentação de dados oficiais acerca da evolução da política salarial, bem como do custo de vida, da inflação do período, provocando uma situação de sério empobrecimento dos trabalhadores do campo e da cidade. Ao citar diversos dados oficiais, Dom Fragoso vai desmontando as bases falaciosas da política salarial então vigente. Denuncia a legislação do período, identificando graves lacunas, especialmente não tomar na devida consideração a evolução da inflação do período (quase sempre, subestimando), ao tempo em que o custo de vida disparava, reduzindo gravemente o poder de compra dos trabalhadores.

 

Tal é a força profética como analisa, como pastor, aquela situação, que provoca um sentimento de perplexidade em prováveis espiões do regime ali infiltrados. Disto são sinais dois registros atípicos inseridos pelo autor, neste mesmo capítulo: um no começo e outro no meio da palestra. No começo, Dom Fragoso observava que a palestra devia ser realizada no Clube dos Estudantes (provavelmente, situado no campus universitário da UFCE), num Domingo, dia 14 de abril. De fato, assim se deu, mas a palestra só foi encerrada na segunda feira seguinte, e já no recinto do diretório central dos estudantes (provavelmente um local autônomo).Sucede que, no meio da palestra iniciada no Domingo, irrompe, de repente, a figura do reitor da UFCE, a insistir em que João Fragoso suspendesse a palestra, tendo sido escutado as vaias. O palestrante interrompe seu trabalho, prometendo dar sequência, no dia seguinte, no diretório central dos estudantes, como de fato se deu. Disto se toma conhecimento por meio de 2 registros feitos por Dom Fragoso no texto da conferência, um na página 64 e outro, na página 81.

 

Estes registros assinalam bem a forte tensão sob a qual vivia o país, tutelado e vigiado pela polícia política da Ditadura Militar. Revelam, também, a coragem profética do Bispo de Crateús, ao não se render aos caprichos ditatoriais e policialescos, tanto é assim, que, no dia seguinte, ele deu continuidade à sua palestra.

 

Prosseguindo sua conferência, além de reafirmar sua análise crítica da situação salarial e sindical, Dom Fragoso tratou de prestar uma homenagem ao líder negro Martin Luther King, fazendo uso de um poema de Eugênio Evtuchenko, reverenciando a figura humana desta liderança. Em seguida, ele próprio fez questão de ressaltar a fé cristã e revolucionária que Martin Luther King, destacando sua fidelidade aos valores do Reino de Deus, ressaltando que seu assassinato redundaria na sua ressurreição na luta do povo negro. Curioso é que, 12 anos mais tarde, outro Mártir, Dom Oscar Romero, arcebispo de São Salvador, ficaria também notabilizado pela sua afirmação, dias antes do seu assassinato: "Se me matarem, ressuscitarei na luta de meu povo".

 

"Os estudantes e a política" - eis o título do quarto capítulo, correspondente a uma nova palestra pronunciada por Dom Fragoso, a convite dos estudantes. De início, empenha-se em esclarecer o sentido de Política, desde sua etimologia - "cidade". A partir daí, segue fornecendo elementos relevantes para uma compreensão mais objetiva do sentido de política, de modo a realizar, com bastante ênfase, no aspecto de prática coletiva, voltada ao bem comum. Em seguida, convida seus interlocutores a examinarem conjuntamente a situação concreta do Brasil, do Nordeste, e em Crateús, buscando situar como os habitantes do nosso país e de nossa região se comportam em relação à política, à economia e à cultura. Sempre atento aos dados oficiais então disponíveis, Dom Fragoso vai percorrendo várias dimensões da política e da economia, do modo como seus governantes vem pondo em prática. Ao sublinhar que, sendo a política a arte do bem comum, cuida de analisar de que modo isto vem-se ou não se vem cumprindo, em nosso país. Lembra que o exercício legítimo da política só é possível quando se volta para o bem comum, visando tanto ao bem coletivo quanto a assegurar a dignidade da pessoa humana. Características fundamentais da vocação do ser humano a uma realização de sua plenitude devem estar, por exemplo, no exercício da criticidade e da autodeterminação. Trata-se de dimensões fundamentais do ser humano que condicionam, inclusive, sua atuação cidadã, sua atuação política. Sem essas duas características, prevalece o risco de manipulação político-partidária e ideológica, à medida que os grupos oligárquicos que dominam os espectros político e econômico, se empenham em "dourar a pílula", isto é, em passar para o conjunto dos cidadãos e cidadãs uma imagem falsa da realidade. Em outras palavras, o povo se transforma em massa, em massa de manobra para a elite dominante.

 

Esta situação se passa no Brasil, agravada com a instalação do Golpe de Estado de março de 1964. O regime militar passa, então, a ditar as normas de organização política e econômica da nação, à revelia e em contraposição ao texto constitucional, de acordo com os interesses de uma pequena minoria, em detrimento das aspirações mais legítimas da enorme maioria do povo brasileiro. Situação de agravamento político e econômico, fortemente favorecida pelo alto índice de analfabetos, sem condição de exercer seus direitos políticos e econômicos, de modo apropriado. As medidas voltadas para alfabetização, como encampadas pela Cruzada ABC, sob forte influência do regime ditatorial, ficam sem efeito, quanto às condições de exercício crítico dos seus direitos políticos e econômicos. 

 

Do ponto de vista econômico, também incide uma condição de empobrecimento crescente de enormes parcelas da população, submetidas a um salário mínimo muito aquém do mínimo necessário a assegurar uma vida digna aos trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. Pior ainda: no caso, por exemplo, das condições econômicas experimentados pela população rural e mesmo urbana, parte expressiva desta gente tem que sobreviver apenas com a quarta parte do salário mínimo vigente no Brasil, como ele mesmo afirma: “de acordo com um cálculo feito em dezembro de 1967, uma família de quatro pessoas precisaria de 426 cruzeiros para viver; contudo, ela recebe 78” (p. 96).

 

Curioso é observarmos como tal realidade, mais de 50 anos depois, pouco ou nada mudou: eis que, segundo o DIEESE, para satisfazer as necessidades de uma família previstas na constituição, o salário mínimo deveria ser, em fevereiro de 2020, R$4.366,51.

 

Tanto ao considerar e analisar a situação política quanto a situação econômica, Dom Fragoso não cessa de instigar aqueles estudantes a se colocarem criticamente enquanto cidadãos e cidadãs, convidando-os a fazerem a sua parte, pensarem criticamente, junto aos diversos grupos sociais de que fazem parte, a começar pelas suas próprias famílias. Dom Fragoso também os advertia quanto aos riscos de se tornarem pessoas descomprometidas com a sorte de sua gente, incentivando-os a participarem de modo crítico e propositivo, na busca constante de alternativas políticas e econômicas àquela situação de precariedade geral, o que somente poderia ser alcançado por meio do esforço comum de transformar a massa em povo, um povo consciente, crítico e de sua autodeterminação.

 

Encerrando o Capítulo 4, Dom Fragoso se dispõe a várias perguntas apresentadas pelo público estudantil em geral, prioriza a importância e a urgência, apresentadas por aquele contexto histórico, do exercício de tomada de consciência, comum primeiro passo a 1 envolvimento prático daquela situação. sempre de modo didático, Dom Fragoso recorre a exemplos ilustrativos, tomando como referência o chão de sua diocese, Crateús neste sentido, ao fazer diversos questionamentos provocativos, toma como referência principal o público estudantil de Crateús, convidando-os a refletirem criticamente sobre aqueles desafios, ao mesmo tempo, não se conformando com um mero exercício crítico, também Convida os estudantes a serem protagonistas de uma nova história, em busca de uma nova sociedade tendo a situação presente como decorrente subdesenvolvimento fabricado pelos países centrais do capitalismo, e em especial pelos Estados unidos, também cuida de incentivá-los a enfrentarem o desafio do desenvolvimento, conceito-chave daquela época, hoje talvez, a exemplo de Francisco, Bispo de Roma, estivesse associando seu esforço maior na direção de uma nova sociedade, indo muito além do desenvolvimento, até porque hoje vimos enfrentando desafios planetários, implicando um compromisso ainda maior com a sorte do planeta e de seus viventes.

 

No capítulo V, Dom Fragoso traz um tema de alta relevância, bem como de alta tensão, ao abordar a questão da reforma agrária e revolução social. Este Capítulo encerra a primeira parte do livro, que é a mais extensa. mais uma vez, Dom Fragoso é convidado pelos estudantes concluintes do curso de agronomia, pertencente à Universidade Federal do Ceará para pronunciar uma conferência sobre o tema mencionado. após saudar e agradecer a turma de concluintes, pelo convite, cuida de dissecar (é assim que tem procedido em ocasiões semelhantes travessão o tema em debate, começa por afirmar seu compromisso de bispo e de cidadão com com a causa camponesa, na perspectiva de sua libertação sublinha, desde o início, sua confiança nos estudantes concluintes, quanto ao seu compromisso com a causa Libertadora dos trabalhadores e trabalhadoras Rurais, em especial, por meio de sua contribuição como agrônomos a causa da reforma agrária, numa perspectiva revolucionária parágrafo apoiado, como de Hábito, em documentos e fontes credíveis empenha-se hein decodificar o estatuto da terra, lei principal concernente a reforma agrária do período militar, bem como apoiando-se em outros textos para melhor fundamentar sua análise sobre a situação da reforma agrária, especificamente no Estado do Ceará e na região de Crateús amora as Profundas desigualdades fundiárias observaveis também no Estado do Ceará e na região de Crateús situação que, ao mesmo tempo, dificulta enormemente as condições de uma prática agrícola conforme a necessidade das famílias trabalhadoras da região, favorece os privilégios das Grandes propriedades Rurais. além disto, amora um conjunto de dados que caracterizam aquela região, desde a marginalização dos Trabalhadores Rurais, quando se trata da tomada de decisões sobre temas que lhe dizem respeito diretamente, seja em relação a outros dados e circunstâncias que agravam a mesma situação, tais como as desigualdades regionais, ausência de garantia de preços justos para os pequenos Produtores Rurais as condições adversas do cultivo da terra como a falta de irrigação, a falta de créditos ao alcance dos Trabalhadores Rurais o agravamento da situação pelas prolongadas estiagens ressalta, porém, com força ainda maior, a insuficiência da formação básica dos trabalhadores do campo e suas famílias, grande parte vítimas do analfabetismo e de um processo de conscientização política, em outras palavras, ausência ou insuficiência de uma "Educação de base".

 

Não se limitando a meras constatações, também incentiva e provoca aqueles concluintes a se tornarem também protagonistas de uma nova ordem social, baseada no direito e na justiça, fundamentos do Evangelho. chama atenção para os Graves desafios políticos, econômicos e culturais com que se defrontam aqueles estudantes, vocacionados a enfrentar, com discernimento e coragem, aqueles desafios, não tem Medo as acusações frequentes, lançada pelos apoiadores do regime militar contra todos aqueles e aquelas que usam denunciar avise as injustiças clamorosas então reinantes, em especial do Campo encoraje a us a não temer em ser chamados de chover sivos, pelo fato de buscar hein enfrentar aquela ordem de injustiça social, a procura de uma ordem alternativa característica de uma nova sociedade parágrafo parágrafo parágrafo embora as observações relativas a este Capítulo possam e até de vão ser estendidas aos precedentes e aos capítulos seguintes, convém assinalar pontos chave da exposição feita por Dom Fragoso dentre estes pontos, aqui destaco: seu modo respeitoso de dirigir-se, enquanto sede ponto e, o zelo pela coleta de dados e de suas fontes ponto e, seu empenho em decompor, dissecar cada tema que lhe é proposto, sempre buscando mencionar diferentes dimensões e diferentes aspectos do mesmo tema ponto e, não se limita a mera constatação de fatos e de situações, mas traz sempre uma fraterna provocação aos seus interlocutores, no sentido de entregarem ao serviço da causa Libertadora dos oprimidos ponto e, a ênfase constante que atribui ao processo formativo é uma constante, observável ao longo do livro. 

 

A partir da página 113 começa a segunda parte do livro, dedicada a diretrizes ou pistas pastorais propostas por Dom Fragoso, tendo em vista os desafios daquela conjuntura social, política e econômica, no Brasil, no nordeste, no Ceará e na Diocese de Crateús.

 

Até aqui, o livro de Dom Fragoso oferece um conjunto de temas sobre os quais foi chamado a refletir, por meio de palestras diversas. A partir da página 115, tem início a segunda parte do livro, voltada a apresentar desafios e perspectivas pastorais específicas da Diocese de Crateús. 

 

Nesse sentido, parte de uma descrição circunstanciada da cidade e da Diocese de Crateús. Como de praxe, Dom Fragoso recorre a dados amplos. Neste caso, apoiou-se na elaboração de um relato minucioso, de modo a oferecer um panorama geográfico, histórico demográfico e religioso de sua Diocese, uma notável radiografia que, desta vez, foi tarefa da qual se incumbiu o Secretário da Diocese.

 

Antes de refletir sobre as ações propriamente eclesiais, faz questão de descrever e de analisar as bases sociais e educativas, em que repousarão sua análise e a apresentação das perspectivas propriamente pastorais. Sempre partindo do "VER", cuida de situar a ação cidadã e cristã de relevantes segmentos e agentes atuando em Crateús, em especial a  ação da JAC, da JEC, da JOC, da ACO, em interação com agentes sindicais e com o MEB, fornecendo outras notáveis informações sobre a base sócio-educativa, em que vai ancorar-se a ação pastoral. Destaca as bases teórico-práticas do processo educativo, bebendo em fontes preciosas, tais como a Pedagogia de Paulo Freire, donde se entende a fecundidade dos Círculos de Cultura - quarenta Círculos de Cultura atuando na região.

 

É a partir desta base, que o Bispo e sua equipe, sempre em interlocução com os diversos segmentos diocesanos, passam a esboçar e a implementar um plano de ação pastoral, caracterizado pelo compromisso com a promoção humana, com o processo de evangelização. Ao reconhecer os limites presentes nos protagonistas da Diocese, inclusive o clero - a quem entende faltar, por vezes, ousadia -, expressa sua confiança e seu compromisso com a ação profética, que se ocupe para além das fronteiras da Diocese, tendo como horizonte a libertação do seu povo, em escala nacional, tendo em vista os graves desafios colocados pela ditadura militar.

 

À certa altura, revela-se contundente em sua identidade de cidadão, de cristão e de bispo, ao afirmar coisas do tipo: 

 

Mas eu sei que no fundo do coração dos homens ainda há bom senso. Espero que as autoridades que, elas sim, têm armas, e armas que foram compradas com seu dinheiro, mas com o do povo, eu espero que essas autoridades, pagas com o dinheiro do povo, não se desviarão do bom caminho, conservarão seu bom senso, e que elas utilizarão suas armas e seu dinheiro para fazer reinar a justiça em favor dos mais pobres. (pp. 133 - 134)

 

"Um bispo diante de seu povo "constitui outro tópico integrante desta segunda parte. Trata-se, provavelmente, de algumas emissões radiofônicas que Dom Fragoso dirigia ao seu povo, em Crateús. Possivelmente, estas falas radiofônicas tenham se dado meses antes.

 

Em outro tópico desta mesma parte, cujo objetivo é uma auto apresentação diante do seu povo, sobretudo por conta  de ruídos e falsas acusações de que é vítima, neste tópico, Dom Fragoso apresenta alguns artigos ou trechos de artigos publicados em jornais do Nordeste (O Povo, O Poti) e do Sul. Por meio deles, empenha-se em repelir fortes acusações de que é subversivo. 

 

Fortes acusações de que é subversivo lhe são assacadas, com certa frequência, por representantes do regime militar, um ano antes da decretação do AI-5. Ele trata, então, de desmentir, com argumentos convincentes. Faz ver que busca ser fiel ao Evangelho. Ao mesmo tempo, mostra-se fiel também às Encíclicas Sociais do Papa João XXIII ("Mater et Magistra" e "Pacem in Terris") e de Paulo VI ("Populorum Progressum").

 

Dom Fragoso também é acusado de estar ligado a figuras como Carlos Marighella, conhecida liderança de resistência à Ditadura Militar, bem como de demonstrar simpatia pelo Pe Camilo Torres, assassinado na Colômbia em 1966.

 

Dom Fragoso insiste em afirmar sua posição de fidelidade a causa libertadora dos pobres, que Jesus de Nazaré assumiu como prioridade e, em seguimento dele, tantos outros cristãos - inclusive importantes figuras da Patrística, como Santo Ambrozio - e os Papas acima referidos. Reitera seu compromisso com a luta pela dignidade dos pobres e injustiçados, por meio da não violência ativa, respeitando, contudo, quem, motivado pela sua consciência, entende resistir à tirania, pelo emprego de meios violentos. Esta posição de resistir à tirania pelo emprego da violência, tem base em Tomaz de Aquino, para quem, uma tirania sanguinária, pode ser legitimamente combatida pela força, desde que isto não provoque um dano social ainda maior do que a situação combatida.



Segue o livro de Dom Fragoso a apresentar Stratus de artigos seus - quase todos referentes a questões sensíveis aquela época de 1967 -, publicados em jornais de Natal (“O Poty”), de Fortaleza (“O Povo”), do Rio de Janeiro (“ Última Hora”), e “Diário de São Paulo”. Temas mais recorrentes dizem respeito  a questões relacionadas a Profética defesa dá autodeterminação dos povos da Liberdade como Horizonte a ser perseguido pelos trabalhadores do campo e da cidade, o combate a todo tipo de opressão Econômica, política, cultural, bem como assuntos concernentes a figura Che Guevara, assassinado naquele ano (1960) na Bolívia. O risco de a América Latina e ou o Brasil se tornarem um novo Vietnã, entre outros assuntos versados nos artigos por ele escritos naqueles jornais. 

 

No tópico seguinte diz respeito a parte final do livro, e versa sobre dezessete perguntas que lhe foram levantadas por jornalistas. A cada uma das perguntas, Dom Fragoso cuida de responder. O interesse dos Jornalistas se concentra em sua posição de alguém que se confronta  com o regime ditatorial em curso, no Brasil. Como de hábito, Dom Fragoso empenha-se em reafirmar sua posição favorável ao combate a todo tipo de ditadura, o quê não implica na adesão a qualquer caminho violento, mas sempre ressaltando sua adesão a não violência ativa, sem que isto implique a condenação de opções diferentes da sua.

 

Por volta da página 155, e estendendo-se até a página 165, Dom Fragoso se dispõe a responder a outras dezessete questões que lhe são dirigidas. Entre as respostas oferecidas, mesmo entre outros comentários feitos precedentemente, vários pontos se tocam ou se reencontram. Isto reforça o caráter firme de suas posições, trata-se de questões que se prendem sobretudo a sua posição política, enquanto Bispo católico, frente há várias situações econômicas, políticas e culturais, sem faltarem perguntas sobre o campo especificamente religioso. Neste Campo, em particular, perguntado sobre como avalia o comportamento da instituição eclesiástica do clero, reconhece que, a despeito de avanços pontuais trazidos pelo Concílio Vaticano II, diversos aspectos continuam a desejar, seja no campo da liturgia, seja na área catequética ou em outras esferas religiosas. Acerca especificamente do Clero, entendi a necessidade (ainda não satisfeita) de um segmento ao essencial da mensagem evangélica, o discipulado e o compromisso Missionário - o grande apelo do segmento de Jesus. Isto comporta um estilo de vida de intenso compromisso com a causa dos pobres e desvalidos. E, implica a necessidade de que padres se comportem de modo semelhante à gente comum. Isto é, com um estilo de vida Modesto, buscando viver como pessoas simples, trabalhando como os demais, seja em um estado celibatário, seja mesmo como padres casados, o quê ainda não acontece.

 

No tocante a temas econômicos e políticos, Dom Fragoso segue firme sua linha profética de denúncia das injustiças sociais, De toda forma de ditadura, ao tempo em que busca enfatizar o compromisso dos cristãos com a construção de uma sociedade de pessoas livres, bem formadas, autônomas, conscientes, defendendo princípios fundamentais como a dignidade das pessoas e dos povos, sua autodeterminação.

 

Em conclusão (da página 165 a 172), Dom Fragoso segue a mesma linha, isto é, respondendo as perguntas que a ele são dirigidas, de modo a buscar, de forma didática, clara, objetiva, suas posições proféticas e missionárias. Ao concluir este livro, Dom Fragoso tinha apenas 48 anos. No cenário brasileiro, e mesmo latino-americano, integrava um grupo seleto de bispos com grande preparo intelectual, movidos de uma espiritualidade incarnada, e de uma coragem profética Notável.

 

A título de arremate

 

Sabemos que, por mais positivamente que avaliemos a grandeza deste livro, o que nele vem consignado não alcança a inteireza do legado de seu autor. Com efeito, este livro que apresenta características autênticas de seu autor, há de ser somado a outros escritos seus (outros livros, numerosos artigos, documentos pastorais, cartas, anotações na agenda, pronunciamentos radiofonicos) há de ser igualmente conectado a outras dimensões de seu legado, uma vez que, além de tantos inscritos seus, há de se recorrer também a seu denso testemunho de vida, enquanto ser humano, cidadão, cristão, Padre, Bispo. De todo modo, neste livro, podemos observar as linhas mestras que refletem parte significativa de seu legado.

 

Que outros traços encontramos neste livro, que se conectam organicamente a tantos outros de seus feitos?  Tentemos, a seguir, resumir os pontos axiais, presentes em seu livro em outras dimensões do seu legado, que consideramos mais relevantes. Destaquemos, em primeiro lugar, existência caracterizada por uma forte linha de compromisso de ser humano e de missionário, em uma vida entregue fortemente a defesa e a promoção dos seres humanos, em busca de sua humanização, na Perspectiva da Tradição de Jesus. Neste sentido, podemos observar uma notável linha de continuidade, no conjunto de seus compromissos de cidadão, de Cristão e de bispo.

 

Por outro lado, convém ressaltar fortemente a singularidade com que seu testemunho Missionário, Pastoral e Profético se coloca ante o espectro médio dos protagonistas da Igreja Católica Romana (Papa, bispos presbíteros e diáconos, religiosos, religiosos, leigas e leigos) singularidade que se manifesta, sob vários aspectos Um primeiro aspecto a ressaltar, diz respeito a seu reconhecido esforço de fidelidade a causa do Evangelho, da Tradição de Jesus. Neste particular, imaginamos como foi difícil enfrentar toda sorte de obstáculos, dentro e fora da Igreja Católica quanto as dificuldades por ele enfrentadas, do ponto de vista macrossocial e político. Tais obstáculos passam a ser de monta secundária, quando se comparam aos enfrentados ao interno da própria Igreja Católica. Seu legado, em diferentes momentos e circunstâncias, esteve sempre a expressar sua tristeza em relação ao modo de se organizar secularmente assumido pela Igreja, em claro distanciamento das práticas características das primeiras comunidades cristãs e do próprio Movimento de Jesus. Estranhamento por ele Expresso, em múltiplas ocasiões, inclusive quando participante, como Bispo auxiliar, das sessões do Concílio Vaticano II. Incomodava, como também há uma minoria de padres conciliares, em especial os primeiros signatários do Pacto das Catacumbas, a forma assemelhada a de um estado assumido pela Igreja Católica. O reconhecimento por ele expresso de avanços registrados Graças ao Concílio Vaticano II, não o faziam esquecer a ausência ou insuficiência do compromisso  da Igreja, em relação a causa dos pobres e desvalidos. A despeito de conquistas pontuais, quanto a compreensão do Concílio em relação à estrutura de organização da Igreja, inclusive pelo reconhecimento do protagonismo do Povo de Deus como agente Central da Igreja Católica, sentia-se fortemente frustrado pela inobservância deste entendimento, razão por quê ansiava, como tantos e tantas outras pessoas, pela convocação de um novo Concílio.

 

Com relação a estrutura organizativa da Igreja Católica, ele defendia uma aproximação maior de organização a partir das inspirações características das primeiras comunidades e do Movimento de Jesus. Também buscava ir muito além, e outros pontos de vista(liturgia, catequese, sacramento,  Ministérios).

 

Resulta fortemente impactante o modo coerente como se colocou, especialmente diante do regime militar, mostrando-se claramente desassombrado frente as perseguições de que foram vítimas tantas pessoas de sua diocese e de tantas partes do Brasil, fossem elas camponeses, operários, estudantes, padres ou religiosos, além de sua própria pessoa ter sido constantemente perseguida pela ditadura militar. Não estava sozinho, contava com um grupo de bispos, padres, religiosos e religiosas e leigos e leigas, com quem soube compartilhar suas dores e suas esperanças. Dom Fragoso foi um exemplo de uma geração de bispos que marcou viva presença, na Profética resistência aos malfeitos gigantescos da ditadura militar. Disto também dá testemunho o livro que buscamos analisar.

 

 João Pessoa, 01 de junho de 2020, véspera da festa de Pentecostes.